Notícias

02/04/2012
A lógica da especulação Investimentos
 

Em pesquisa recente a Global Property Guide, empresa britânica de avaliação de imóveis, apontou o Brasil como um dos principais países a liderar a valorização dos imóveis nos últimos meses. Alguns analistas divergem quanto às explicações dessa onda de valorização fundiária urbana: uma corrente defende que não se trata de uma onda especulativa, mas são conseqüências de fatores estruturais, como o déficit habitacional e a falta de espaços urbanos com boa infraestrutura disponíveis para construção; já os fatores conjunturais seriam atribuídos aos megaeventos que a cidade sediará a partir de 2013, como a Copa das Confederações, Copa do Mundo Fifa 2014 e as Olimpíadas Rio-2016.

Outra corrente de especialistas, principalmente os analistas internacionais, aponta para critérios de desempenho econômico, como o aumento da renda do consumidor brasileiro, a facilidade de obtenção do crédito à moradia e a crise econômica que atinge os países ricos da Europa e os EUA. Entretanto, ambas análises apontam para uma força quase contingencial, esquecendo que há duas décadas tivera início um projeto político, urbano e ideológico de valorização da cidade e dos espaços urbanos para o mercado.

A partir de 1990, as cidades brasileiras e o Rio de Janeiro em especial passaram a ser consideradas e tratadas pelo poder público e pela elite empresarial como cidades-mercadoria. Dava-se início a um tipo de administração pública explicitamente articulada com os setores da iniciativa privada, no qual interesses privados cada vez mais eram vinculados às políticas públicas.

Vale lembrar que o marco inicial desse projeto foi o Plano Estratégico da Cidade do Rio de Janeiro, na primeira gestão do prefeito César Maia (1993-1996), conforme apontado por Carlos Vainer em seu artigo “Os liberais também fazem planejamento urbano?” (1996). O âmago desse movimento de cunho liberal tinha e tem como proposta a venda da cidade.

A valorização dos espaços públicos, com melhorias pontuais e esteticamente planejadas possibilitaria uma melhor colocação da cidade no mercado global. O geógrafo David Harvey denomina esta maneira de administrar e olhar a cidade e seus espaços públicos como empreendedorismo urbano. É nesta esteira que os megaeventos podem ser incluídos: mote de grande apelo público para que se elabore todo um corpo de leis excepcionais, se remova forçadamente grandes contingentes populacionais e se implante novas malhas de transporte a serviço dos novos empreendimentos.

Os megaeventos em si são de uma natureza efêmera como os seus benefícios. O que fica é uma enorme dívida pública e uma cidade remodelada conforme as demandas de expansão do capital. O maior problema é que a cidade é feita de gente; são os cidadãos que dão sentido à cidade, e não o inverso. A lógica do empreendedorismo urbano e da cidade como mercadoria subverte a ordem social das coisas. Assim, a valorização imobiliária que a cidade do Rio de Janeiro vem sofrendo nos últimos dois anos é conseqüência clara de um projeto ideológico que põe os interesses do capital acima dos interesses citadinos. A questão que nos obriga à reflexão . é até que ponto os cidadãos conseguirão inverter a lógica do “legado dos megaeventos” amplamente divulgada por governos, empresários e setores da mídia, para realmente beneficiar a população no longo prazo. E ainda: até que ponto esse legado poderá se vincular mais aos interesses públicos e sociais e menos aos interesses econômicos de uma minoria? Façamos a reflexão.

 
 
Fonte: O Globo
Outras Notícias
02
04
SALDÕES DE IMÓVEIS PODEM TER ATÉ 15% DE DESCONTO NAS CAPITAIS
[+] saiba mais
02
04
Oito deslizes que podem levar um imóvel de família a leilão
[+] saiba mais
02
04
Crédito que usa imóvel como garantia cresce em 2011
[+] saiba mais
02
04
Cuidados para evitar prejuízos na compra de imóveis
[+] saiba mais
05
06
3ª FEIRA DE IMÓVEIS EM MONTES CLAROS - CAIXA ECONOMICA FEDERAL
[+] saiba mais
13
06
CONSULTPRIME DESTAQUE NO FEIRÃO DA CAIXA
[+] saiba mais
 
Voltar
icone-whatsapp 1
redesp_facebook.png
A Empresa

CONSULTPRIME IMÓVEIS
CRECI PJ 4158

UNIDADE CENTRO: contato@consultprime.net

Rua Doutor Veloso, 815 - Centro
Montes Claros - Minas Gerais – CEP: 39.400-074
Fixo - (38) 3221-8182  / 
 Vivo (38) 9.9999-8182

CORRETORES DE PLANTÃO:

ANDRÉA DANTAS - CRECI 21.113 - 9.9979-0559 



 


 

 

Contato

 Rua Doutor Veloso, 815 Centro - Montes Claros/Minas Gerais

 Fixo: (38)3221-8182 WhatsApp: (38) 9.9999-8182

 Segunda à Sexta: 8:00 às 12:00 e das 13:30 às 18:00

  Fale Conosco

www.consultprime.net © 2020. Todos os direitos reservados.
Site para Imobiliarias
Site para Imobiliarias